quarta-feira, 16 de maio de 2012

Geração High Tech


"Hoje sou Fast Food, Flex, High Tech, Full HD e até digital, mas infelizmente não sei a enorme diferença entre uma orquídea e um girassol. Hoje sou SMS de poucos caracteres, e-mail objetivo, parabéns no Facebook, mas nunca saberei o odor sinestésico e inexplicável que tem uma carta escrita a mão. Sou o beijo de tchau que nem ousa encostar o lábio na bochecha do receptor, sou o bom-dia nunca dito para o vizinho de elevador, sou também o esbarrão na rua lotada de outros como eu, seres cuja palavra desculpa sumiu do léxico. Sou um livro egoísta de autoajuda que não lê mais poesia.
Sou preconceito de tudo que não sou e não tenho coragem de ser. Perdi a sensibilidade pouco a pouco e quando percebi, deixei de ser. Não deixe de sofrer toda vez, das muitas vezes que infelizmente ainda verá uma criança com cara de sarjeta e se puder ajude-a, você pode não ter dinheiro, mas sempre terá um estoque infinito de abraços. Se amar alguém, diga logo, não repita isso milhões de vezes, achando que assim manterá essa pessoa ao teu lado, mas diga, pois a vida não avisará a hora de dizer “The End”. Pare de brigar com tua mãe porque ela te liga duzentas vezes por dia, certas coisas não mudarão. Não tenha vergonha de beijar teu pai no rosto, beijar com gosto, se possível na frente do mundo todo, repito: a vida não pede licença quando quer levar alguém.
Leia muita poesia, embrenhe-se na selva de palavras quando quiser fugir do caos, absorva toda emoção que puder, seja homem ou seja mulher, mas seja sensível. Deixe que tomem seu relógio caro e sua mala cheia de dólares, mas se alguém um dia anunciar assalto, encostar uma arma no teu peito e tentar roubar a sensibilidade que lhe resta, reaja com unhas e dentes, pois perdê-la será seu maior risco de morte."

Ricardo Coiro

Nenhum comentário:

Postar um comentário